O Ciúme e o Amor – Um Estudo da Psicologia Simbólica Junguiana – Carlos Byington

da net em 02.09.2013: http://www.carlosbyington.com.br/downloads/artigos/pt/o_ciume_e_o_amor.pdf

O Ciúme e o Amor – Um Estudo da Psicologia Simbólica Junguiana

Carlos Amadeu Botelho Byington

e-mail: c.byington@uol.com.br site: http://www.carlosbyingtton.com.br

Conversando intimamente, no longínquo passado, com um grande amigo, ele me
confidenciou que se sentia muito orgulhoso do relacionamento com sua companheira de
muitos anos, porque hoje havia conseguido, finalmente, não sentir mais ciúme dela.
Instintivamente, e sem pestanejar, respondi-lhe: – “é porque você não a ama mais”. Ele
ficou chocado com a minha resposta e eu também, porque não consegui fundamentar
racionalmente o que havia dito. No entanto, tenho que me conformar, porque os intuitivos
são assim. Percebem as coisas num flash, sem saber de onde elas vieram e como
explicá-las. Cabe depois, ao laboratório da vida, demonstrar a veracidade ou não das
intuições. É por isso que os intuitivos, sobretudo quando sua intuição é intensa e chega à
mediunidade, têm que trabalhar muito e ter responsabilidade sobre o que afirmam.
Segui esta receita e hoje volto a refletir sobre o ciúme e o amor, fundamentado
numa teoria psicológica.
A Psicologia Simbólica Junguiana que construí é o resultado da minha vivência da
cultura na segunda metade do século XX através da experiência quotidiana com as obras
dos pioneiros da psicologia dinâmica moderna. Ela tem seus fundamentos nas
descobertas de Freud do desenvolvimento da personalidade a partir das relações
primárias e dos seus distúrbios, que fixam a libido e originam os sintomas e as defesas –
a compulsão de repetição e a transferência defensiva; na teoria de Jung (1945), do
inconsciente coletivo, dos complexos, do arquétipo e do processo de individuação, e na
conceituação do instinto de poder, de Adler. A Psicologia Simbólica Junguiana
desenvolve também os estudos de Erich Neumann (1949) na aplicação dos conceitos de
Arquétipo Matriarcal e Patriarcal na formação do Ego da criança e da Consciência
histórica coletiva, e amplia o estudo da relação Ego-Outro, presente nas posições
esquizoparanóide e depressiva de Melanie Klein, com a formulação de cinco inteligências
arquetípicas representadas por cinco posições de relacionamento Ego-Outro na
Consciência. Esta perspectiva enraíza-se também nas vivências do corpo simbólico e das

técnicas expressivas das teorias de Reich; da Bioenergética, de Lowen; do Psicodrama,
de Moreno; da Psicosíntese, da Gestalt, da Psicodança e do estudo da conduta oriundo
da psicologia cognitivo-comportamental.
Dentro da epistemologia científica, a Psicologia Simbólica Junguiana encontrou
seu fundamento na filosofia existencial de Heidegger, que descreve a vida humana como
o estar-no-mundo (Dasein ist in-der-Welt sein) e na filosofia da evolução de Teilhard de
Chardin, que descreve a formação da Consciência a partir da biologização e da
humanização da matéria. Através de sua criatividade, os dois filósofos ultrapassaram a
terrível dissociação sujeito-objeto na teoria do conhecimento, que tanto deformou a
Ciência, quando, ao lutar contra a Inquisição, elegeu como verdade exclusivamente a
objetividade e a razão, e expulsou o subjetivo e a emoção do templo do Saber.
Apesar de todas estas raízes e influências diferentes, denomino esta Psicologia de
Simbólica por seu conceito central ser o símbolo, que liga as coisas entre si e com o todo
através dos seus significados, e de Junguiana porque foi Jung aquele que reuniu
simbolicamente sua vida, seus sonhos e sua obra dentro da moldura arquetípica do
processo de individuação que ele descreveu.
A Psicologia Simbólica Junguiana concebe todas as coisas como símbolos
estruturantes, e todas as funções da vida como funções estruturantes. Mas, estruturantes
por que? Porque esta Psicologia descreve a vivência das coisas como símbolos que,
através das funções, estruturam a identidade do Ego e das coisas na Consciência
(Byington, 2004). Uma doença é um símbolo estruturante, e o medo que temos dela é
uma função estruturante. Um crime é um simbólico estruturante, e a sua prevenção é
uma função estruturante. Um livro é um símbolo estruturante, e nossa curiosidade para
lê-lo é uma função estruturante.E assim por diante. Este processo, que forma a
Consciência através dos símbolos e funções estruturantes chama-se processo de
elaboração simbólica e é aqui considerado o centro de toda a atividade psíquica.
É da máxima importância percebermos que as funções estruturantes são
arquetípicas, isto é, existem no Inconsciente Coletivo de todas as pessoas e podem ser
normais ou defensivas. Freud descobriu os mecanismos de defesa do Ego. Aqui
descrevo essas defesas como funções estruturantes defensivas do Self e não do Ego.
Tudo na Psique é bipolar, podendo ser empregado para o Bem ou para o Mal. As funções
estruturantes também. Elas podem ser normais e estruturar a Consciência, ou defensivas
e expressar a Sombra. Assim, o ciúme é uma função estruturante normal, que muito 3
contribui para formar e alimentar a Consciência, ou defensiva, quando se transforma num
verdadeiro monstro, que é o ciúme patológico.
Muitos dos símbolos e funções estruturantes nos agradam como o aplauso e o
carinho, e são fáceis de admitir que formam a Consciência. Já outros, como o ciúme, a
agressividade, a inveja, a vergonha e a ambição nos fazem sofrer e, por isso, é difícil
admitirmos que contribuam para o crescimento da nossa Consciência. A tradição cultural
chegou mesmo a rotular, discriminar e estigmatizar como exclusivamente malignas e
destrutivas muitas funções estruturantes que ameaçam a estabilidade do indivíduo ou da
sociedade, como aconteceu com os sete pecados capitais. A conseqüência desta
discriminação preconceituosa e moralista é que os símbolos que são impedidos de ser
elaborados por essas funções desqualificadas, passam a operar na Sombra, no
inconsciente reprimido, e aí sim, elas se tornam inadequadas e destrutivas, e são
expressas por defesas que infernizam a vida. A melhor maneira de transformar um cão
dócil e afetivo numa fera é prendê-lo numa corrente durante o dia e somente soltá-lo à
noite. As funções estruturantes normais, quando são fixadas e defensivas, dão origem à
patologia mental, ao crime, à destrutividade e a todo o Mal de que a natureza humana é
capaz.
Desta maneira, aqueles que buscam realizar o seu potencial e têm coragem de
viver, logo aprendem que tudo na vida tem dois lados. Um é luz e o outro é Sombra. O
sofrimento também. O sofrimento saudável é, às vezes, inerente ao processo de
crescimento e, nesse, caso, é um grande gerador de vida e de luz. Qualquer criança
sadia logo descobre que o preço de aprender a caminhar é pago com quedas, dores e
lágrimas. Já o sofrimento defensivo é aquele que nada produz, como, por exemplo, o que
encontramos na compulsão de repetição dos sintomas.
É esta base teórica que me permite reunir cientificamente o amor e o ciúme.
Lembram-se do meu amigo que não sentia ciúme? Pois bem, algum tempo depois da
nossa conversa, ele se separou e, em seguida, apaixonou-se. Um dia, visitei o casal e,
no momento em que fiquei a sós com a esposa, ela me confidenciou:- “Você não poderia
ensinar o seu amigo a ser menos ciumento? Eu o adoro, mas às vezes sinto que ele
exagera no ciúme”. Nesse momento, tive certeza que o meu amigo estava amando outra
vez.
O Arquétipo Central é o maestro que coordena os outros arquétipos e todo o
processo de desenvolvimento símbólico do início ao fim da vida, através de duas
poderosíssimas funções estruturantes: o amor e o poder. A Psicanálise reduziu
freqüentemente o amor à sexualidade, e depois, durante anos e décadas, vem 4
explicando que “sexo é mais do que sexo”. A Psicologia Individual, de Adler, reduziu
bastante o poder ao complexo de inferioridade e ao “protesto” para vencer a inferioridade
no desenvolvimento. Isso, porém, é muito pouco para explicar por que essas duas
funções estruturantes são tão fundamentais para participar sempre da regência do
Arquétipo Central.
Como nos ensinou Margrit Mahler, a Psique inicia a vida individual imersa na
intensa simbiose das relações primárias, e a identidade se forma por experiências de
apego e desapego, união e separação. Surge um novo símbolo e a Consciência a ele se
reúne. É a atração e fusão. Os significados simbólicos são integrados e passam a fazer
parte da Consciência. Nesse momento, impõem-se a separação para buscar outros
símbolos e continuar o desenvolvimento. Winnicott descreveu o objeto transicional como
o paninho, o ursinho ou a chupeta, que a criança adota como símbolo para separa-se do
seio. Durante toda a vida, cada nova vivência, cada novo símbolo estruturante será um
objeto transicional de um símbolo para outro, acompanhado sempre de união e
separação.
É difícil conhecermos e caracterizarmos cada função estruturante porque sua
expressão entremeia-se com todas as demais funções estruturantes na multiplicidade e
nas infinitas possibilidades de ser. Podemos agredir em situações de vaidade, ambição,
busca, voracidade, competição, amor e tantas mais, e então, no momento de estudarmos
a agressividade podemos descrevê-la com os significados de outras funções com as
quais ela mais freqüentemente está associada. Isto é inevitável porque, quanto mais
importante e fundamental é uma função estruturante no desenvolvimento do Self, maior é
o número de funções estruturantes com as quais ela se associa na elaboração simbólica.
O amor e o poder são as duas principais funções estruturantes na criatividade e
organização do Arquétipo Central, porque elas fazem parte da essência do processo de
união-separação dos símbolos para formar a Consciência. O amor propicia a união e o
poder promove a separação, formando assim a polaridade básica do desenvolvimento do
Ser. O amor abre o Ser para a vivência de entrega do Ego para o seu próprio desejo e
para o Outro, e para isso renuncia ao status, à riqueza e até à própria independência.
Tornou-se célebre e comovente a renúncia do Duque de Windsor ao trono da Inglaterra
pelo amor da americana Wallis Simpson que, por ser desquitada, não podia ser rainha.
Em contrapartida, o poder propicia o fechamento do Ser na entrega para o Outro devido à
sua auto-afirmação e à imposição do seu próprio desejo sobre o desejo do Outro, para
assegurar sua independência. 5
A capacidade do poder para promover a auto-afirmação e a independência é tão
oposta ao amor que Jung dizia que, quando o poder entra por uma porta, o amor sai pela
outra. Sua polaridade também foi descrita como Eros e Logos, por Platão, e, ainda mais
antagônica, como Eros e Tanatos, por Freud. A Psicanálise sempre andou às voltas com
esse antagonismo. Freud, muitos anos antes de sua formulação final de Instintos de Vida
e de Morte (1920), já havia proposto o antagonismo entre os Instintos de poder do Ego e
a libido sexual.
No entanto, os pólos das polaridades, apesar de opostos, contribuem sempre
também para formar a Consciência, pois são ambos funções estruturantes arquetípicas
do Self. Assim sendo, a síntese dos opostos representada na Alquimia européia pelo
Arquétipo da Conjunção (coniunctio) é descrita como a grande finalidade do processo
(opus) para se obter a pedra filosofal (lapis filosophorum), que foi estudada por Jung
como a finalidade da auto-realização psicológica, a qual denominou Processo de
Individuação. O sábio Hermes Trismegistus, personagem lendário da Alquimia da
antigüidade, já afirmava no texto da Tábua de Esmeralda (Tabula Smaradigma) que “o
que está em cima é igual ao que está embaixo. Compreendam isso e regozijem”. A luz do
amor traz a felicidade do Ser, mas sua Sombra possessiva pode matá-lo de asfixia. A luz
do poder é capaz de construir uma nave espacial e sua Sombra, ordenar o genocídio.
O princípio e a sabedoria da síntese dos opostos pode ser aplicado a qualquer
polaridade da vida e do conhecimento. Afinal, não foi a descoberta das valências, na
Teoria Atômica, que permitiu a compreensão da atração e da repulsão dos elementos
para formar os compostos químicos da natureza? No entanto, como fazê-lo com a
extraordinária polaridade da separação e da união, do poder e do amor? Quanto mais
importante e abrangente é uma função estruturante, mais funções estruturantes auxiliares
ela possui para se expressar. As funções estruturantes do amor e do poder são
auxiliadas intensamente pelas funções do ciúme e da inveja. O ciúme acompanha o
amor, e a inveja, o poder. Em meu livro Inveja Criativa, descrevi a força do poder de
conquista da inveja (Byington, 2002). Hoje, abordo o ciúme como função estruturante.
O ciúme é uma função estruturante que, quando opera normalmente, guia a
função estruturante do amor e delimita o seu território. Nesse caso, o ciúme é o guardião
ético do amor. O ciúme esclarece para a Consciência até onde o amor tem direitos e
deveres e mostra quando ele transgride suas fronteiras e torna-se defensivo, ou seja,
inadequado, possessivo e destrutivo.
As funções estruturantes são instrumentos maravilhosos para aperfeiçoar a
Consciência. Elas são verdadeiros anjos, que nos permitem empregar a criatividade para 6
conhecermos a vida e trilharmos de maneira inteligente o caminho do Bem. No entanto,
quando se tornam fixadas e, portanto, defensivas, por um distúrbio no processo de
elaboração simbólica, as funções estruturantes passam a expressar a Sombra, que
abriga a inadequação, os sintomas, o erro e o crime dentro do caminho do Mal. Quando
as funções estruturantes tornam-se fixadas e, com isso, defensivas, os anjos
transformam-se em demônios, que trazem o sofrimento improdutivo, a destrutividade e a
infelicidade. Por isso, quanto maior for a capacidade de as funções estruturantes
trazerem a realização do Ser, maior também será a sua força capaz de atormentar as
pessoas e conduzi-las ao descaminho, quando se tornam defensivas.
Desta maneira, a psicoterapia dinâmica simbólica nunca pode se restringir a
interpretações que se limitam a nomear disfunções e sintomas da Sombra e do
inconsciente reprimido. Ela precisa sempre também elaborar a função estruturante que
se tornou defensiva, resgatar seus componentes fixados e liberá-los, para agir
plenamente na Consciência. Não basta apenas identificar o pecado. É preciso sempre
também buscar através dele e do arrependimento, o caminho da salvação. Os terapeutas
pouco vividos e que centralizam sua vida emocional dentro do hospital e do consultório,
freqüentemente têm facilidade de diagnosticar defesas e sintomas, mas podem ter
também grande dificuldade em resgatar, a partir deles, a função estruturante normal,
indispensável para a criatividade do Self. Não foi por acaso que Santo Agostinho, após
uma vida devassa na mocidade, pode atingir a profundidade da dimensão espiritual e
ética que o consagrou. Com o maravilhoso desenvolvimento das neurociências e da
psicofarmacologia, hoje é comum vermos jovens médicos diagnosticarem depressão, e
receitarem antidepressivos, sem ter a menor capacidade de empatizar a tristeza dos seus
pacientes, elaborar e descobrir com eles onde sua função estruturante do amor está
fixada e foi transformada em tristeza e depressão. Sua pouca experiência de vida –
embora profissionais maduros possam também agir assim –, e a tendência a identificar a
tristeza com a depressão e medicá-la é tão grande, que parecem desconhecer que a
tristeza, o desânimo e a depressão freqüentemente expressam a função estruturante do
amor deformada por uma defesa. Tenho visto pessoas tomando antidepressivos sem que
sua depressão tenha, em momento algum, sido examinada como a distorção da função
estruturante do amor. Essa limitação cultural é reforçada pelo marketing da poderosa
indústria de medicamentos e pela mentalidade consumista do livre mercado, que
estimulam as pessoas a se livrarem da tristeza aumentando o consumo do luxo e do
supérfluo. O resultado é que os distúrbios afetivos no casamento, nos demais
relacionamentos, no emprego e na sociedade de um modo geral, por não serem 7
examinados à luz das disfunções do amor, são exacerbados, agravando os sintomas
depressivos e justificando mais remédios. Trata-se de uma espiral defensiva progressiva
e perversa, na qual a atitude terapêutica pode, às vezes, aliviar a causa imediata, mas
agrava o quadro a médio prazo. Têm ocorrido simpósios médicos sobre depressão, com
palestrantes psiquiatras conhecidos, que concentram a tal ponto suas idéias na patologia,
que o amor não é sequer mencionado. O próximo alvo do “livre” mercado de
antidepressivos é o universo infantil, onde freqüentemente as crianças apresentam
sintomas depressivos que expressam a infelicidade do lar. Já vi vários casos em que a
mãe leva a criança deprimida para tratamento psiquiátrico em consultas nas quais, em
momento algum, lhe foi perguntado se havia infelicidade no lar.
Ao mesmo tempo em que a função estruturante do amor é pouco estudada além
da serotonina na psiquiatria, ela é prostituída e aviltada, vítima da função estruturante do
poder empregada defensivamente pelo marketing a serviço da ganância. Na sociedade
de consumo, um coração vermelho, símbolo do amor apaixonado, tem sido usado
associado à imagem de políticos em campanha eleitoral e para a venda de produtos os
mais variados. Outro dia vi um supermercado adotar a imagem do coração para a venda
dos seus produtos, que incluem até mesmo papel higiênico.
Se o amor, que é valorizado e incentivado é tão mal estudado e cuidado, não é de
se surpreender que o ciúme, que estamos concebendo como seu guardião e função
auxiliar, o seja ainda mais.
Um engenheiro de meia idade casou-se pela terceira vez, com uma mulher
separada, e veio buscar terapia. Reconhecera finalmente que seu ciúme era patológico e
que havia destruído seus dois casamentos anteriores. Expliquei-lhe que o ciúme normal é
uma função muito útil para cuidar e proteger o amor, e que, se o ciúme o estava
atormentando tanto e à sua companheira, era porque ele o estava vivenciando de
maneira indevida e doentia. Sugeri a ele que pesquisássemos e procurássemos
identificar o que ele fazia de inadequado com o ciúme. Não demoramos a encontrar sua
disfunção. Por ser uma pessoa muito afetiva, quando ele amava, queria conhecer a outra
pessoa intimamente e saber dos seus hábitos e gostos, dos seus amigos, da sua família
e da sua história. Até aí o ciúme se manifestava normalmente. Sentia ciúme do passado
de sua esposa e até da sua infância, mas conformava-se de não tê-la conhecido antes e,
por isso, não ter partilhado de todas suas experiências emocionais. De repente, no
entanto, aconteceu algo que exacerbou seu ciúme de tal forma, que ele perdeu o controle
do seu amor, tornando-se possessivo, intolerante, obsessivo e agressivo. Isso aconteceu
quando começou a perguntar como havia sido o casamento anterior da esposa e ela 8
concordou em descrevê-lo. Entrando nas vivências íntimas dela, sentiu curiosidade por
saber como ela se portava eroticamente, o que fazia seu marido e como ela correspondia
e sentia. De início, até sentiu-se satisfeito com a abertura e a entrega da esposa que, por
amor, lhe confidenciava minuciosamente os segredos de sua vida passada. Mas, a
digestão do que lhe parecia um alimento saudável, revelou-se um veneno que o
intoxicou. Seu ciúme começou a persegui-lo dia e noite. Tornou-se cada dia mais
possessivo, controlador e agressivo, e sentiu que mais uma vez caminhava para destruir
o amor.
Expliquei-lhe que o ciúme é um daimon, uma força da vida, uma função
estruturante que acompanha, vigia e cuida do amor, alertando a Consciência sobre os
diferentes estados do amor, inclusive sobre seus limites. No caso, eles haviam
transgredido os limites do amor conjugal e desrespeitado o ciúme, o que o tornara tão
furioso. Ele não deveria ter cedido à sua curiosidade de perguntar e sua esposa nunca
deveria ter devassado o leito conjugal do seu primeiro casamento. O ciúme que ele
sentira do primeiro marido, ao contrário de conduzir para a abertura do amor entre eles,
tinha sido um aviso de que aquela fronteira pertencia a um estado de alma que não podia
ser partilhado. Nesse caso, a busca da intimidade havia conduzido à promiscuidade
emocional, defensiva e perversa, e não deveria ter sido obedecida.
O exame minucioso da curiosidade que o levara a querer saber daquela
experiência revelou que ela não havia sido guiada pela entrega amorosa, e sim pelo
poder. Era a sua insegurança como homem e a dúvida de ser realmente amado que o
levara a querer controlar um amor do passado e conduzido a uma situação tão
desesperadora, que ameaçava destruir o vínculo amoroso do presente. O ciúme
exacerbado vinha ensinar a ele que o amor é também cuidado e consideração, o que o
obrigava a respeitar a intimidade de um amor que não era dele. Sua esposa, por sua vez,
se reconhecesse a força do ciúme, não o teria incendiado pela exposição da intimidade
com seu primeiro marido. Ao transgredirem os limites do amor e o ferirem,
desconsideraram e atropelaram o ciúme, desencadeando sua ira, perseguição e castigo.
A essência do seu erro havia sido uma das maiores, se não a maior que se pode cometer
contra o amor, ou seja, entregá-lo à voracidade de controle pelo poder. Foi contra a
traição do amor e sua entrega ao poder que o ciúme levantou-se enfurecido para torturar
o pobre engenheiro.
Qual fios de uma teia de aranha, as funções estruturantes entrelaçam-se para
elaborar os símbolos e extrair deles os significados para formar a identidade do Ego e do
Outro na Consciência. Assim sendo, muitas vezes uma função estruturante nos ensina 9
mais sobre outra do que já havíamos aprendido com a própria. Este casal, com a tortura
do marido pelo ciúme que atingiu também a esposa pelo controle, possessividade e
agressividade, viveu um verdadeiro processo de iniciação sobre o segredo da intimidade
e da fidelidade do amor com uma profundidade que antes nunca tinha imaginado. Eles
aprenderam com o ciúme que, acreditando amar, haviam ferido uma das grandes
qualidades do amor, que é a intimidade.
Mas, cuidado! Ao abordarmos o estudo das funções estruturantes precisamos
lembrar sempre de Hermes Trismegistus, e não esquecer que as funções, os símbolos e
os arquétipos que as coordenam são sempre bipolares. Assim, necessitamos resgatá-los
dos estigmas tradicionais e perceber que todos podem ser bons ou maus, dependendo
da vivência em que estão operando. Desta maneira, quando descobrimos uma
característica nova de uma função, não devemos incorporá-la à função sem levar em
conta que ela sempre poderá ser normal ou defensiva. Quando a incorporamos só como
boa, recaímos no moralismo, naquele mesmo do qual nos libertamos ao admitirmos a
polaridade de todas as funções.
A intimidade do amor também é uma função estruturante que pode ser normal e
saudável, ou defensiva e destrutiva. Há casais que mergulham cada vez mais na
intimidade, isolam-se do mundo e terminam por empobrecer suas vidas e o próprio amor,
ao qual eles quiseram se dedicar inteiramente. O que evita categorizar a priori como boas
ou más funções estruturantes, recair no moralismo e formar preconceitos é manter
sempre presente a noção da bipolaridade ética e perceber em cada momento da vida da
pessoa e da cultura se o seu funcionamento naquele determinado contexto é normal ou
defensivo, produtivo ou inadequado, bom ou mau. Lembrando o ditado “de boas
intenções o inferno está cheio”, podemos nos proteger melhor para evitar cair dentro
dele.
Nessa etapa, a terapia do nosso engenheiro apresentou um problema que precisa
ser compreendido. De início, ele estava de tal forma dominado por seu sintoma que nada
percebia além dele. Encontrava-se tão desesperado pelo ciúme defensivo, que
desencadeava nele tanta agressividade, que estava a ponto de desfazer o vínculo
conjugal e, mais uma vez, destruir o amor. Com o acolhimento da terapia, a medicação
ansiolítica que lhe prescrevi e o início da elaboração da natureza do ciúme, passou a ter
momentos em que voltava a amar a esposa. Somente depois de um ano de terapia pode
perceber que tinha dois tipos de ciúme. Um que o fazia pensar sobre a profundidade, a
criatividade, a beleza e as maravilhas do amor, e outro que o induzia a atacar, romper e
destruir o amor. Trabalhamos muito esse desenvolvimento, e ele terminou sua terapia 10
sentindo que o ciúme lhe ensinara muitas coisas sobre o amor e que, quanto mais o
ciúme era respeitado, mais o amor era cultivado e preservado. Anos depois, voltou a me
consultar, desta vez para ter uma indicação de uma analista para sua filha. Nesta sessão,
contou-me que amadurecera muito sua relação com o ciúme e que agora já havia se
acostumado a ver lado a lado as duas formas de ciúme, uma normal, ajudando a avaliar
e respeitar seu amor, e outra, defensiva, torturando os amantes e encaminhando-os para
a destruição do vínculo amoroso.
Para entender melhor porque existem tantos preconceitos moralistas com relação
às funções estruturantes, que nos impedem de conhecê-las e tratá-las
psicodinamicamente, por não aceitarmos sua natureza estruturante bipolar que atua entre
o Bem e o Mal, necessitamos uma introdução sumária sobre os cinco diferentes padrões
arquetípicos da Consciência formulados pela Psicologia Simbólica Junguiana. É um
pouco mais de teoria, mas que vale a pena porque permitirá aprofundar nosso
conhecimento do ciúme e do amor.
Existem cinco inteligências arquetípicas no ser humano, que regem o
relacionamento do Ego com o Outro na Consciência e na vida. O Ego engloba todas as
representações do sujeito, e o Outro, todas as representações das coisas, do não-Ego.
As cinco posições Ego-Outro, inicialmente descritas por Melanie Klein como posições
esquizoparanóide e depressiva, foram aqui ampliadas e cada uma relacionada com um
arquétipo. Da mesma maneira, os arquétipos básicos da formação da Consciência
individual e coletiva, que são o Arquétipo Matriarcal e o Arquétipo Patriarcal conceituados
por Erich Neumann, são aqui aumentados para cinco e associados a posições
arquetípicas Ego-Outro na Consciência.
Quando um símbolo entra no campo psicológico, geralmente consciente e
inconscientemente, ou às vezes só inconscientemente, inicia-se a elaboração simbólica
coordenada pelo Arquétipo Central na posição Ego-Outro indiferenciada. No terceiro
casamento do nosso engenheiro, começou, ou melhor, recomeçou a agir o símbolo da
traição, mobilizado pelo ciúme e pela raiva, sem que ele tivesse a menor noção do seu
real significado. Sabemos que o símbolo é importante porque ele foi “constelado”, isto é,
mobilizado pelo Arquétipo Central no campo psíquico de maneira ainda indiferenciada.
Mas só. Os quatro arquétipos seguintes vão continuar a ser coordenados pelo Arquétipo
Central e terão cada um sua inteligência específica.
A seguir, a elaboração continua na posição insular coordenada pelo Arquétipo
Matriarcal. Nesta posição a relação Ego-Outro é muito íntima, prazerosa ou
desprazerosa, sem qualquer outra especificação. Ela ocorreu quando o engenheiro 11
começou a sofrer com o ciúme e seu desprazer dirigiu sua agressividade claramente
contra sua mulher. Esta posição é bipolar, pois o prazer é sentido como bom, e o
desprazer, mau, mas seus pólos podem ser vivenciados separadamente, sem que isso
seja patológico.
A posição insular apresenta a fixação do ciúme e do amor quando o Ego fica
possuído pela frustração oriunda simplesmente da divisão do vínculo amoroso. Existem
dois grandes exemplos dela na psicologia dinâmica. Uma é o caso do “pequeno Hans”,
descrito por Freud, que apresentou uma fobia de cavalo após o nascimento de uma
irmãzinha. A meu ver, seu amor não pode incorporar o ciúme e dividir sua mãe e, por
isso, seu ciúme, tornado defensivo e agressivo, foi projetado na violência atribuída ao
cavalo, gerando a fobia. Freud atribuiu a fobia de cavalo ao complexo de castração,
devido ao complexo de Édipo, como que não estou de acordo, por achar que só a
frustração oriunda do ciúme da irmã já basta para explicar a agressividade projetada no
cavalo e a fobia. O outro, foi o caso de Ana, filha de Jung, também de 5 anos de idade,
que apresentou reação fóbica com o nascimento de seu irmão Franz, o que também nos
faz pensar no ciúme defensivo deformando o amor.
A terceira posição é a posição polarizada regida pelo Arquétipo Patriarcal, na qual
o Ego e o Outro estão sempre em posições assimétricas. Esta posição é ternária porque
o Ego somente vê a polaridade luz e Sombra, Bem e Mal, no Outro, e em si mesmo vê
apenas a luz e o Bem. Ela corresponde à visão maniqueista do mundo, em que algo é
bom ou mau, dependendo de estereótipos moralistas e dogmáticos. Foi esta posição que
historicamente categorizou as funções estruturantes em boas e más.
Sua patologia pode ser ilustrada em dois casos célebres: Otelo, de Shakespeare e
Don José, da Ópera Carmen, de Bizet. Em Otelo, Iago, movido por inveja diabólica, leva
o general a acreditar que sua esposa Desdêmona o trai. Possuído por um ciúme
defensivo que não consegue controlar, Otelo a castiga, matando-a. Da mesma forma,
Don José, vendo Carmen apaixonada por Escamilo, pede a ela que volte para seu amor.
Rejeitado, ele não resiste ao ciúme e a apunhala mortalmente.
A quarta inteligência arquetípica é a posição dialética da relação Ego-Outro
coordenada pelo Arquétipo da Alteridade. Ela é quaternária porque o Ego admite sua luz
e sua Sombra, enquanto o Outro também o faz. Somente aqui é possível para a
Consciência entender e empregar o axioma de Hermes Trismegistus sobre o segredo da
igualdade dos opostos. Somente neste padrão de Consciência podemos entender o
paradoxo do alfa e o ômega, que define Jesus como o menor dos menores e o maior dos
maiores. Menor pela sua humildade, e maior por sua compaixão. É também neste padrão 12
de Consciência que podemos exercer a psicoterapia dinâmica, que nos permite
simbolizar os sintomas e buscar dentro da sua função estruturante defensiva, a função
estruturante normal, que volta a formar a Consciência dentro do conceito psicológico
arquetípico de cura.
Sua representação patológica do ciúme foi ilustrada no último filme de Stanley
Kubrick, De Olhos Bem Fechados, no qual, a esposa (Nicole Kidman), sentindo-se pouco
amada e valorizada pelo brilhante médico que é seu marido (Tom Cruise), conta a ele
uma deslumbrante fantasia, na qual o traiu com um militar, que eles haviam visto passar
no saguão de um hotel. O marido passa a lidar com um ciúme gigantesco, que não
consegue controlar, exatamente porque o adultério é e não é, existe e não existe, pois é
fruto “apenas” da imaginação da sua esposa.
Finalmente, a quinta inteligência arquetípica é a posição contemplativa, na qual o
Ego e o Outro retornam à unidade com o mundo, integrando e aceitando a percepção
conjunta do Bem e do Mal na vida. Ela apresentou-se na personalidade do nosso
engenheiro, quando, depois de alguns anos, ele voltou à consulta e relatou sua vivência
de integração do ciúme e do amor dentro dos dissabores e tranqüilidade de sua vida
conjugal.
Esta posição apresenta-se defensivamente quando as pessoas declaram-se
“amadurecidas e em paz com a vida”, e que não sentem mais ciúme porque desistiram
de amar. Ela é defensiva porque não posso imaginar o amor sem ciúme. Muitas pessoas
acham que não têm ciúme porque confundem ciúme com possessividade, isto é, com
ciúme patológico. Nesse caso, ao não sentirem possessividade, concluem que não
sentem ciúme. No entanto, quando examinamos sua maneira de amar, constatamos que
elas percebem minuciosamente cada sentimento e movimento da pessoa amada,
capacidade esta que lhes é dada pelo ciúme normal.
Para terminar, quero demonstrar ainda mais a capacidade da função estruturante
do ciúme de guiar a Consciência na vivência do amor, mencionando o caminho possível
de saída para a luz da função estruturante do ciúme fixada e aprisionada na Sombra. É
impressionante como esse percurso faz parte ao mesmo tempo da terapia do ciúme
patológico, do autoconhecimento e da construção da Supraconsciência, que percebe a
vida sempre com a Consciência e a Sombra, o Bem e o Mal.
Se o pequeno Hans e a menina Ana elaborassem suas fobias, eles seriam
iniciados na força estruturante do ciúme, cuja experiência avassaladora os levou à
fixação e à formação da defesa fóbica. Ao integrar construtivamente o ciúme, eles 13
aprenderiam que o amor dos pais não é exclusivo de cada filho, pois sua grandeza,
generosidade e dedicação podem incluir mais de um.
Se Otelo tivesse podido agüentar seu ciúme dentro do amor, ele teria aprendido a
reconhecer a manipulação invejosa, ardilosa e mefistofélica de Iago e a beleza e
dedicação do amor de sua linda Desdêmona. Se ele tivesse se aprofundado no
ensinamento do ciúme, ele certamente teria mergulhado no autoconhecimento,
descoberto o significado de sua ligação íntima com sua mãe e de sua auto-estima
minada por seu complexo racial oriundo de sua negritude.
De sua parte, se Don José tivesse resistido à fúria estruturante do seu ciúme, e
com ela ampliado sua Consciência, teria compreendido a exuberância existencial de
Carmen, declamada na Habanera, onde ela exalta a transcendência e a
autodeterminação do amor. Ele teria podido ver que a falta de seu pai e a superproteção
e possessividade de sua mãe o haviam enfraquecido e obrigado a apegar-se ao exército,
incompatível com o amor de Carmen. Através da dor e da verdade da vida, seu ciúme
certamente lhe teria mostrado que o toureiro Escamilo era um vencedor e que, por isso,
tinha o amor de Carmen, enquanto que ele era um desertor, não apenas do exército, mas
do próprio amor e, por isso, a havia perdido.
Ao elaborar seu ciúme criativamente, o jovem médico filmado por Kubrick teria se
dado conta de como seu amor conjugal estava ferido e limitado por sua vaidade, suas
atuações mundanas e sua incapacidade de ver o sofrimento de sua mulher. Poderia, ao
mesmo tempo, mostrar a ela o maquiavelismo e o poder de sua fantasia de adultério, que
haviam revelado, num de seus sonhos, o quanto ela estava perdida e desesperada.
Finalmente, aqueles que não têm ciúme porque acreditam que não precisam mais
de amor, podem conscientizar que não sentem ciúme porque desistiram de buscar o
amor. Neste caso, é importante que ficassem atentos para que o cinismo e a depressão
senil não venha atormentá-los por sua recusa de buscar o amor.
Para terminar, quero enfatizar que a compreensão da força estruturante do ciúme,
protegendo e delimitando o amor, é tão fundamental quanto o conhecimento da
capacidade estruturante da inveja para alimentar o poder. O ciúme e a inveja são as duas
grandes funções estruturantes que propiciam a conjunção entre o amor e o poder dentro
do Arquétipo Central para a estruturação plena da Consciência.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS14
Byington, Carlos Amadeu Botelho (2002). Inveja Criativa – O Resgate de uma Força
Transformadora da Civilização. São Paulo: W11 Eds., 2002.
___________ (2004). A Construção Amorosa do Saber – Fundamento e Finalidade
da Pedagogia Simbólica Jungiana. São Paulo: W11 Eds., 2004.
Freud, Sigmund (1920). Além do Princípio do Prazer. Obras Completas vol. 18. Rio
de Janeiro: Imago Editora Ltda, 1969.
Jung, Carl Gustav (1945). O Eu e o Inconsciente. Obras Completas vol. 7.
Petrópolis: Vozes, 1980.
Neumann, Erich (1949). História da Origem da Consciência. São Paulo: Ed. Cultrix,
1995.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s